Autor

Sete de Espadas

 

Data

Janeiro de 1948

 

Competição

I Torneio Policial de Auditorium

Problema nº 4

 

Publicação

Auditorium – nº 12

 

 

 

 

 

 

O 13º CASO!...

Sete de Espadas

 

Sabendo quanto eu me interessava por enigmas policiais, o meu grande amigo e mestre Alexis Smith, detective particular de Londres, um dia enviou-me uma carta com o seguinte caso

«Local do crime: Num arruamento, de terra encharcada, no jardim da vivenda DÁLIA, a cerca de 100 metros da porta principal e a poucos metros da porta do fundo do jardim. A vivenda enquadrada por ruas.

«Posição do corpo: Estendido de costas, envergando uma gabardine cinzenta e, junto à cabeça, o sangue manchava de vermelho a terra mole. Perto dos pés, um chapéu também cinzento.

«Relatório médico: O tiro fora disparado a curta distância, chamuscando os cabelos a bala penetrara obliquamente de trás para a frente, um pouco acima do occipital e saíra junto ao maxilar inferior. A morte fora instantânea e ocorrera cerca das 10 horas.

 

Declarações dos suspeitos:

Melvyn – Discutira violentamente, na noite anterior, com Ted (o morto) por ciúmes duma colega. Tivera aula das 9 às 11 h. Saíra das 10 às e um quarto e recusara-se a dizer onde fora.

Karter: Pela janela do seu quarto no 1.º andar, viu a cena, que foi rápida. Por entre os arbustos dois vultos; o da frente volta-se rápido, agacha-se, atacando; defendendo-se, o outro desvia-se, um braço ergue-se rápido, volta a descer, um tiro soa na manhã cinzenta, e o corpo cai com um baque surdo sobre a terra mole… corre rápido; nada há a fazer ao corpo, e persegue o assassino que lhe pareceu Melvyn…Corre na rua deserta até à próxima esquina da direita e esbarra com Thompson que pacatamente vinha em sentido contrário…

Tompson declara; esbarrara com Karter e depois de saber o que acontecera foram ambos ver o corpo. Saíra da aula às 10 horas.

Observações gerais: O estabelecimento de ensino, que todos frequentavam, situava-se a cerca de 550 m.; os quatro possuíam o mesmo físico, as mesmas gabardines cinzentas… e, até os mesmos sapatos…; no arruamento havia várias pegadas nos dois sentidos: não havia sinais de luta; afinal, Thompson faltara à aula das 9 às 10 horas».

A carta findava com o pedido de resolução, mas como não fui capaz venho pedir aos amigos uma ajudazita dizendo-me:

 

1) – Quem matou Ted?

2) – Por que pensa assim?

© DANIEL FALCÃO