Autor

Sete de Espadas

 

Data

Janeiro de 1978

 

Secção

Enigma Policiário

 

Publicação

Passatempo – nº 44

 

 

NUM CORREDOR COM 20 METROS OU BISBILHOTICES NA RESIDENCIAL DAS AVENIDAS

Sete de Espadas

 

Os problemas para os «Novos» ou «Iniciados», devem ser suaves, maneirinhos, acessíveis, com um fiozinho de trama ou mesmo de história, mas dirigidos directamente ao fim a atingir dentro do nosso querido passatempo – o policiário dedutivo… das cinzentas!».

Foi a pensar nisso que eu, ao aceitar o convite do prezado amigo e companheiro de outras jornadas, Insp. Aranha, para «me encarregar» de um problema para os «Novos ou Iniciados», fui à procura dos meus velhos papéis e encontrei o «esqueleto» deste que hoje vos proponho…

Numa folha amarelecida havia, ao alto, a seguinte legenda «Num corredor com 20 metros» por cima de uma outra já riscada que dizia «Bisbilhotices na Residencial das Avenidas». Do meio para baixo daquela folha velhinha podia ver-se uma série de rabiscos e números que faziam uma intrincada tessitura…

Havia, também, algumas linhas escritas…

Quando se tem que escrever um problema, já repararam que «Ela raramente aparece?... («Ela», aqui, referia-se à imaginação, claro!).

E no entanto o caso não é assim tão difícil, pelo menos aparentemente.

Imaginem as gentis leitoras e os prezados amigos, uma residencial nas chamadas «Avenidas Novas de Lisboa», situada numa dessas vivendas dos anos 20 onde, no primeiro andar, no topo de uma larga e ampla escadaria bem lançada, depois de um patamar, se entrava num largo e comprido corredor alcatifado num tom verde azeitona, em cujas paredes cremes se viam algumas gravuras iluminadas no momento por quatro «apliques» e por um candeeiro de tecto com duas lâmpadas de largos quebra luz roxo, de franjinhas…

 Para esse corredor davam todas as portas dos quartos e todas essas portas abrindo para a direita…

Ao fundo do corredor abria-se na parede um cone com uma abertura interior de 75 centímetros de raio, fechado no exterior por uma janela de vidro avermelhado, guarnecida de uma grade de ferro trabalhado…

Ao canto, próximo da porta do quarto 12, um desses jarrões enormes de louça vidrada, onde se depositavam os chapéus de chuva molhados…

Por cima do óculo, a toda a largura da parede, um espelho ligeiramente inclinado. Creio que estão a ver oi que era, e quase como era, a «Residencial das Avenidas».

Claro que todos os quartos estavam ocupados, sendo numerados, pela esquerda de 1 a 13 e os do lado direito de 2 a 12.

No momento do grito – e isto estava escrito nas declarações que a todos tinham sido pedidas pelo inspector – o hóspede do quarto dez, funcionário da «repartição de finanças» instalada no bairro, principiava a subir o último lançe da escada interior, quase escada de caracol…, situada ao fundo, à direita do corredor, e vira pelo espelho a porta do quarto nove a fechar-se suavemente. Depois desviara a vista por causa do degrau que à tarde tinha sido retirado para ser substituído e… a partir daqui era o que todos sabiam.

Os ocupantes dos quartos doze, oito, quatro, três e cinco, estavam reunidos no quarto um, festejando o aniversário do ocupante, professor de educação física.

A viúva do Brigadeiro Saavedra, ocupante do quarto onze, fora quem gritara ao acordar repentinamente e ver um embuçado, de mascarilha, a estender a mão para o valioso colar colocado numa concha sobre a cómoda. Ambos tinham desaparecido num abrir e fechar de olhos, como que volatilizados. Depois, e quase logo de seguida, segundo lhe parecera, a primeira pessoa a entrar ali fora o ocupante do quarto treze, logo seguido pelo ocupante do quarto dez que declararam nada mais ter visto de anormal.

O colar, de facto tinha «voado»… e do «mascarilha» nada se apurara. No entanto, e para descanso dos leitores se informa que, o primeiro fora mais tarde encontrado sob umas camisas dentro de uma das gavetas da cómoda do ocupante do quarto doze… que nada soubera explicar, até porque estava no aniversário. 

A ocupante do quarto nove declarara que tinha acabado de chegar, que mal tivera tempo de encostar a porta do quarto e dirigir-se à escrivaninha para daí estender a mão e descer a gelosia, quando ouvira o grito da senhora do lado. Como não gosta de se meter na vida dos outros, deixara-se ficar no quarto, ciente que a senhora seria imediatamente assistida. Era sempre assim, mal se dava um grito em qualquer lado.

O ocupante do quarto treze, um ourives que desprezava as superstições, declarara que, ao ouvir passos no corredor, tinha espreitado pela sua porta, que ligeiramente abrira numa simples greta, e vira pelo espelho do fundo do corredor a ocupante do quarto nove a entrar e a fechar mansamente a sua porta.

O ocupante do quarto que não fora encontrado na altura… mas pçor coincidência a «steno», que ocupava o quarto seis, declarara, garantido com segurança, que o vira pela sua porta que por casualidade entreabrira um ou dois minutos antes do grito, sair do onze, caminhando para a direita, para o fundo do corredor, silenciosamente, tanto quanto lhe parecera, mas a passos largos.

O ocupante do quarto dois, despachante daa Alfândega, apesar dos ruídos de alegria ouvidos no quarto um, do grito e do posterior rebuliço, continuava a dormir paulatinamente, quando lhe entraram no quarto.

Mais tarde, veio a saber-se que o Rodrigo, Solicitador, e ocupante do quarto sete, era quem administrava os bens da viúva do Brigadeiro Saavedra. Fora ao quarto da senhora D. Letícia buscar umas acções da «Companhia das Águas», necessárias para a manhã seguinte – o que a viúva confirmara! – e dissera ter visto o colar no seu lugar habitual… mas não se afligir, porquanto, o colar estava devidamente seguro!

No dia seguinte, o inspector encarregado do caso, sem quaisquer outros elementos da «Técnica» que tinha fotografado e recolhido as impressões digitais, começou a arquitectar uma teoria e envolver dois suspeitos e… a um por ter querido imitar um célebre «ladrão elegante de mascarilha negra e echarpe de seda branca» qual «rato de hotel» e a outro por possível e provável conivência… mandou-os buscar!

Naquela folha de papel amarelecido nada mais constava… mas o caso não se tornava assim tão difícil, porquanto… Pois!... Pois!

 

1 – Será capaz de indicar os que foram dois suspeitos? – 8 pontos.

2 – Diga o «como» e o «porquê» dessa sua indicação. – 12 pontos.

© DANIEL FALCÃO