Autor

Inspetor Fidalgo

 

Data

9 de Julho de 2020

 

Secção

Policiário [27]

 

Competição

Torneio Sábado Policiário 2020

Prova nº 6 – Parte II

 

Publicação

Sábado [845]

 

 

QUEM MATOU A DONA CIDÁLIA?

Inspetor Fidalgo

 

Quando os agentes arrombaram a porta já estavam mais ou menos a contar com o que iam encontrar e por isso não deixaram ninguém aproximar-se, mantendo a vizinhança no piso de baixo.

Tudo começou quando uma vizinha estranhou que a D. Cidália, uma velha inquilina de várias décadas, não desse sinal de vida, apesar de ela bater insistentemente à porta:

– Pensei que lhe tinha dado alguma coisa, nós ouvimos tantas histórias de pessoas que morrem sozinhas em casa com ataques do coração e outras coisas, que até ficamos logo a pensar…

Afinal, como a polícia verificou, não foi um ataque cardíaco, mas sim um ataque violento que vitimou a idosa, trespassada por golpe certeiro desferido com uma faca de lâmina bem afiada, cravada nas costas. Confirmaram que nada havia a fazer pela pobre senhora e aguardaram serenamente pela chegada do inspetor da Judiciária e dos membros da equipa técnica que ia efetuar a recolha de provas.

Uma busca ao local revelou desde logo que a casa não tinha grandes condições de habitabilidade, as paredes estavam degradadas pela humidade e as duas únicas janelas, uma que dava para um pátio interior e outra que dava para a rua, estavam ambas trancadas por dentro, o que tornava a casa bastante bafienta, pela falta de circulação de ar.

Não havia sinais de luta. A senhora fora certamente apanhada de surpresa e trespassada com um único golpe, caindo de bruços. Não havia sinais de ter sido arrastada ou movida da posição em que caiu. A porta foi arrombada pelos polícias, já que estava fechada, não apenas no trinco, mas com duas voltas. A chave não estava metida na fechadura, mas sim depositada em cima de um aparador, perto da mala da vítima, onde estavam diversos objetos pessoais e uma carteira com algum dinheiro, já que recebera na véspera a sua pensão.

Rapidamente o Inspetor Fidalgo chegou a três pessoas que poderiam ter motivos ou que estiveram com a vítima nas horas anteriores ao desfecho, que foi ouvir, em separado, na casa da vizinha do rés do chão, a D. Eleutéria, que foi quem deu o alarme à polícia e que afirmou no seu depoimento:

– Senhor inspetor, eu era amiga da Cidália e costumávamos ir as duas ao mercado, à mercearia, à missa, éramos amigas e como não temos mais ninguém, apoiávamo-nos uma à outra, sabe como é… Ontem à noite estivemos na casa dela a ver televisão, bebemos chá e comemos uns bolitos, mas quando vim embora já o senhor Castro, que mora aqui em cima estava a reclamar à porta que estávamos a fazer muito barulho! Veja lá, o homem estava sempre a reclamar do barulho que a Cidália fazia, uma mulher que vivia sozinha que barulho podia fazer, diga-me cá? Barulho faz ele, que eu apanho cá em baixo, só a ressonar parece uma trovoada! A Cidália só fechava a porta à chave à noite e deixava a chave na fechadura, para poder abrir a porta e fugir se houvesse alguma coisa, um incêndio ou coisa assim. Na noite passada, ela ficou nas escadas à espera que eu chegasse à minha casa, como fazia sempre e quando eu cheguei disse-lhe que estava tudo bem e ouvi-a a fechar a porta. Só hoje de manhã estranhei não aparecer e foi então que chamei a polícia. Não entrei em casa, não me deixaram, só me disseram que estava morta, coitada. Deu-lhe alguma coisa… já não somos novos…

O vizinho Castro, não foi nada meigo no depoimento que fez:

– Coitada dela, mas era muito impossível no trato. Não se conseguia aturar e a mania de fazer barulho a qualquer hora deixava-me desesperado. Às vezes dava-me uma gana de ir lá acima e dizer-lhe das boas, mas enfim, já lá está, não é? A última vez que a vi foi ontem à tarde, mas ainda a ouvi à noite, quando veio despedir-se da amiga às escadas. Ouvi-as a trocarem despedidas e cada uma delas fechou a sua porta, isso, eu ouvi porque fizeram um barulhão dos diabos. O senhor inspetor desculpe, mas não tenho pena nenhuma e pode ser que agora eu tenha descanso… Nunca entrei em casa dela, era só o que faltava, queixava-me do barulho quando ela passava à minha porta. Já não a podia aturar… Ela fechava sempre a porta à chave, eu ouvia-a a rodar na fechadura, disso tenho a certeza…

O senhorio, que morava no prédio ao lado, mostrou-se abalado com a notícia…

– Não esperava isto… Já muitas vezes tinha dito à D. Cidália que não devia ter aquelas facas na cozinha, mas pensava sempre que pudesse acontecer algum acidente e ela cortar-se ou coisa assim, porque já era uma pessoa de idade e a usar aquilo… Nunca pensei que pudesse acontecer uma coisa destas, nesta casa e neste bairro que é tão pacato. Agora é que vão ser elas para conseguir arrendar a casa outra vez, vão todos começar com a conversa do assassínio da D. Cidália… Não vai ser nada fácil… Sim, tenho uma chave de todas as casas, mas não sei se os inquilinos mudam as fechaduras ou os canhões. A D. Cidália ainda tinha a mesma, foi pena terem arrombado a porta, agora vou ter mais uma despesa…

O Inspetor Fidalgo releu os seus apontamentos e já tinha a ideia de quem estava envolvido na morte da senhora…

 

1 – D. Eleutéria;

2 – Sr. Castro;

3 – Senhorio;

4 – Alguém vindo de fora.

© DANIEL FALCÃO